O que deve ensinar aos seus filhos se for lésbica

Mãe e filho na praia

Auto-estima

É importante passar ao seu filho a premissa que ele tal como qualquer outro ser humano merece ser respeitado. Enfoque que pelo facto de ser lésbica não significa que ele seja uma pessoa inferior; a única coisa que o poderá fazer sentir-se com menos auto-estima é o facto de você como mãe não ter auto-estima, e isso pode acontecer numa pessoa lésbica ou não. A auto-estima que a mãe evidencia é passada para o filho, independentemente da sua orientação sexual. Imagine que se sente culpada por nãos ser uma mãe heterossexual, é natural que o seu filho perceba isso e que por esse motivo se vá sentir inferiorizado. Uma mãe com muita autoconfiança irá criar um filho cheio de autoconfiança e que saberá lidar melhor com os problemas que enfrentará ao longo da vida.

Conhecimento de si próprio

Embora possam existir pessoas que defendam que uma criança criada por duas lésbicas não terá o sentimento de que é feminino ou masculino o suficiente, a verdade é que não existem estudos que comprovem este tipo de estereótipos. Na realidade não há nada como um boa educação e o crescer num ambiente de amor e de carinho, para uma criança crescer feliz e capaz de se identificar com o seu género sexual. É importante passar a ideia ao seu filho ou filha que a individualidade e a personalidade está primeiro que o género.

Tolerância

Infelizmente vai ser usual o seu filho ser insultado ou mesmo gozado pelo facto de ter uma ou duas mães lésbicas, e por vezes esta situação de violência verbal poderá até passar para a violência física. Contudo, nada diz que se não fosse lésbica o seu filho não iria ser gozado ou perturbado pelas outras crianças por um motivo completamente distinto. A nossa sociedade ainda não vê a homossexualidade com verdadeira tolerância, por isso prepare o seu filho para isso; faça-o perceber os verdadeiros motivos que fazem outras pessoas agirem de maneira errada. Explique-lhe que verdadeiramente essas pessoas são mais ignorantes e na verdade só tem medo do que desconhecem, e que quem está errado são elas e não o seu filho. Ser tolerante para essas pessoas e com as diferenças do mundo é o maior ensinamento que poderá algum dia passar ao seu filho.

Individualidade

Cada pessoa é única, e o seu filho também. A diversidade faz-nos ser únicos por isso devemos celebrar a diversidade. O seu filho é único, você é única, o seu vizinho é único. As grandes pessoas são celebradas pelos seus grandes feitos, logo pela sua individualidade e não pelo que são semelhantes a todas as outras.

Respeito

Ninguém pode exigir respeito se não respeitar. Agir com dignidade é um princípio basilar a uma vida plena. É importante que o seu filho perceba que outros poderão fazer comentários ou acções baseadas no medo e na insegurança, mas se o seu filho souber respeitar os outros a probabilidade destas situações ocorrerem será muito menor.

Ter uma mente aberta

Aceitar a diversidade e variedade de cada indivíduo é premissa de uma mente aberta. Ensine o seu filho a olhar para as atitudes dos outros e não para as suas visões da vida. Um ponto de vista diferente pode ser uma perspectiva diferente na qual nunca se tinha pensado, ensine o seu filho a ter uma mente aberta para com a vida.

Confiança

Independentemente do tipo de confiança que o seu filho possa ter nele mesmo, o ideal é ele saber que no seio familiar irá sempre ter confiança e apoio. A sua calma e autoconfiança são essenciais para ajudar o seu filho nos altos e baixos da vida.

Prudência

Nunca há a necessidade de esconder a orientação sexual dos pais, mas também não se deve impor com atitudes hostis e desafiadoras. Contudo, na nossa a sociedade é necessária uma certa precaução para não dar demasiado enfoque a si como mãe, pois qualquer problema que aconteça será orientado para a sua responsabilidade relativa à sua orientação sexual, e não para o seu papel de mãe. Esta é uma aproximação realista que fará a vida do seu filho mais segura.

Liberdade de decisão

A sua orientação sexual é uma escolha feita só por si. O seu filho não deve nunca ter de aceitar uma única posição acerca deste assunto. Não se criam filhos para serem o nosso espelho, mas sim para prosseguirem o seu próprio caminho – com o nosso apoio – mas sempre dentro da sua identidade.

Amor

O amor gera amor, e este é um princípio pelo qual se deve reger quando pensa em educar um filho. Mais que o género, orientação sexual, ou origens é o amor que une uma família, nunca se esqueça disto.